Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Ventor observa o Passado

caminhando pela História

O Ventor observa o Passado

caminhando pela História

krak-of-chevaliers-1078528_960_720.jpg


O Crack des Chevaliers, na Síria, que já enfrentou tudo, até o Dayesh. Foi também conhecido como a Fortaleza dos Curdos (os primeiros a constuílo) e só no século XIX, passou a ser conhecido como Fortaleza dos Cavaleiros



O Ventor saiu das trevas ... para caminhar entre as estrelas. Ele sonha, caminhando, que as estrelas ainda brilham no céu, que o nosso amigo Apolo ainda nos dá luz e que o nosso mundo continua a ser belo. Ele vai ao encontro do Sol, tal como o vexilóide de Alexandre o Magno


? Bem, depois ... vamos caminhando!


Adrão e o Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
O Cantinho do Ventor
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Fotoblog de Flores
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Montanhas Lindas
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

05.12.15

Jericó, no Rio Jordão


Ventor e Quico

Vou ver se sei colocar aqui tudo o que o Ventor me contou sobre uma cidade a que os homens de outros tempos chamaram Jericó. Os meus amigos Ventor e Diana gostavam de caminhar pelas margens dos rios nas suas caçadas. Diana caçava e o Ventor observava. Foi assim, também, nas margens do rio Jordão, como o Ventor contou ao Quico.

Torre da cidade de Jericó

_________________________________________________________________

Um dia caminhava o Ventor nas margens do rio Jordão e encontrou vários homens a brincar com as pedras. Alinhavam e desalinhavam muros, tentavam fazer muros circulares e, nas margens verdes do rio recolectavam vários frutos, como tâmaras e outros. Jericó foi conhecida no passado como a cidade das palmeiras.

Os homens terminaram as suas brincadeiras e procuravam dormir à sombra de rochas e palmeiras. Outros procuravam guardar o recinto das feras que por ali apareciam.

Uns putos olhavam a paisagem e começaram eles a brincar com outas pedras, iniciando uma aprendizagem que, mais tarde, levou os seus descendentes a prosseguir nos gostos daqueles que passaram a ser os seus avós.

Começaram a organizar-se de um modo mais social. Organizaram a sua vida, aprendendo a tirar partido do seu quinhão de terra por onde caminhavam e passaram a organizar-se numa sociedade cada vez melhor.

Entre Jericó e Massada, descendo pela margem direita do Mar Morto

Passaram a tomar conta de alguns animais e perceberam que a terra que lhes dava os produtos com que se alimentavam seria mais generosa se soubessem tratar dela. Ali, nos aluviões do rio Jordão, eles poderiam ficar para sempre e o mundo começou nova aprendisagem! Tinham terra verde nas margens do seu grande rio, tinham a água da vida e tinham praticamente tudo que precisavam desde que se soubessem organizar.

Monte Hérmon, na Síria, onde nasce or io Jordão

Haviam muitas coisas que eles não sabiam mas foram aprendendo. Não sabiam tirar proveito das possíveis produções agrícolas, não sabiam que viviam numa depressão geográfica a cerca de 240 metros abaixo do nível médio do mar mediterrânico, nem sabiam que por trás dos seus horizontes haviam outras gentes que, tal como eles, viviam também o seu estágio de aprendizagem.

Na depressão do seu rio, que vai de Israel aos montes Golam, as gentes do rio desenvolveram os trilhos da sua civilização. Aprenderam a trabalhar a agricultura e a construir as suas cidades. O rio Jordão nasce na Síria, no monte Hérmon, com 2814 metros de altitude e com o seu pico quase sempre coberto de neve. Desce até ao Mar Morto, onde entra numa depressão geográfica com 417 metros abaixo do nívil do mar mediterrâneo, actualmente, em 2004.

Mas, entretanto, antes de chegar ao Mar Morto ou Mar Salgado, o rio Jordão ainda tem tempo para se espraiar pelo Lago Tiberíades ou Mar da Galileia onde há dois mil anos, Jesus Cristo lançava as redes para pescar peixes e para pescar homens.

Tiberíades, nas margens do Lago Tiberíades o chamado Mar da Galileia

"Sea of Galilee 2008" por Pacman - Fotografia própria. Licenciado sob Domínio público, via Wikimedia Commons

Noutros rios e, com outras gentes, os rios mais mediáticos da história das civilizações, como o rio Nilo, o rio Tigre, o rio Eufrates, o rio Amarelo, o rio Azul e tantos outros, outros grupos humanos, tais como as gentes de Jericó, também travavam o seu diálogo com a natureza das coisas e começaram a aprender a sobreviver.

Tentei recordar aqui o rio Jordão porque, é nas margens dos grandes rios que se desenvolveram as grandes civilizações. E, apesar do rio Jordão não ser um grande rio e fazer parte de uma bacia endorreica, nascendo nas montanhas do anti-Líbano e morrendo num super lago, o Mar Morto, à sua volta desenvolveram-se grandes civilizações, e cidades, sendo Jericó a mais velha cidade do mundo, sempre habitada.

Uma vista aérea de Jericó, mostrando as ruínas de Tell es-Sultan

Uma das vezes que o Ventor e Diana voltaram às margens do Jordão começaram a observar que as gentes das suas margens já tinham adquirido os seus conhecimentos de como trabalhar a terra e a pedra.

Os netos dos putos de outrora já tinham feito grandes construções de pedra e já iniciavam e arquitecturavam muralhas para a defesa da sua cidade. Tudo isto, há cerca de 11.000 anos!

Foi assim que nasceu a cidade mais antiga do mundo, sempre ocupada socialmente - Jericó! Foi esta a cidade cujas muralhas tombaram ao toque das trombetas de Josué (o substituto de Moisés), à ordem do Senhor da Esfera, quando os judeus fugiram do Egipto.

Esta cidade fica a 8 km da costa setentrional do Mar Morto e a cerca de 27 km de Jerusalém.

Hoje, como há 11.000 anos, as gentes de Jericó e de todo o vale do rio Jordão, continuam a lutar pela sua sobrevivência, sem esquecerem as suas velhas muralhas e outras mais jovens. Foi isto que o Ventor me contou para eu vos recordar.


Caminhadas do Ventor, por Trilhos de Sonhos e de Ralidades, cujas histórias contou ao Quico e o Quico contou-as, para vós, brincando. Foi sob o Tecto do seu amigo Apolo que aprendeu a conhecer os seus amigos, ... como o deus nórdico Freyr e o seu javali Gullinbursti, entre outos

1 comentário

Comentar post